Estes  roteiros irão levá-lo de Belo Horizonte até a Vila de Cocais/Pousada das Cores, por caminhos não convencionais, mas nada muito radical. São em geral passeios para toda a família, que segue por estradas de terra leves, podendo ser feito até por automóveis, sendo bom lembrar que com tempo chuvoso as características das estradas podem mudar muito, sendo aconselhável veículos 4x4 nestas condições, com redobrado cuidado. Vale sempre as recomendações de sempre viajar com mais de um veículo, pois qualquer pane poderá deixá-los literalmente no meio do mato, apesar de não raras vezes eu, Rosilene, minha mulher e Chico, nosso cachorro, viajarmos somente com o Edwaldo, nosso Jeep CJ 5.
Estas planilhas foram levantadas à bordo do Edwaldo, usando os equipamentos que a fábrica nos disponibilizou, ou seja, seu velocímetro, cujo hodômetro oferece um erro desprezível nas aferições que já fizemos, mas que podem diferir um pouco em relação à outros carros. Estes roteiros têm pontos comuns, e ligações entre si, como a estrada que liga um pouco antes de Rancho Novo a Socorro, passando pela Mina do Gongo Soco. Era até intenção listar estes pontos comuns, mas isto faria terminar o gostinho da aventura e da descoberta de novos caminhos até a Vila Cocais/Pousada das Cores. Eles também estão longe de ser o caminho mais perto até a Vila Cocais. Na verdade, dependendo-se do caminho escolhido, à distância pode chegar à quase o dobro do que pelo caminho convencional. Mas com tanta vista bonita, tranqüilidade e gostinho de aventura, quem irá se importar ? Aventure-se.
Este roteiro é composto por duas planilhas. A primeira é só um "tira-gosto" para entrar no clima, e leva de Belo Horizonte à Nova Lima pela estrada velha, de onde vocês deverão seguir pela MG 030 até  Rio Acima. Se preferir, você  poderá  ir  diretamente  até Rio Acima, saindo pela MG 030 em direção à Nova Lima pelo BH-Shopping, e depois até Rio Acima, seguindo a segunda planilha até Barão de Cocais. Uma opção interessante é entrar em Honório Bicalho (Distrito de Nova Lima-já na várzea do Rio das Velhas), e seguir até Rio Acima margeando o outro lado do Rio das Velhas, pela Estrada Real. A distância é praticamente a mesma, e o caminho sem complicação,  sendo este um trecho agradável que contém placas que narram fatos que lá ocorreram, como o local da queda do cavalo, em 1817, de D.Pedro II e do Bandeirante Borba Gato. Cuidado nas passagens de nível sem cancela da linha férrea.
A partir de Rio Acima começa a subida da Serra do Espinhaço, tendo a vista da Cachoeira dos Viana, e quando no alto da serra podemos avistar ao longe a Serra de Ouro Preto, do Curral, do Caraça, o pico do Itabirito e a Represa Rio das Pedras no Rio das Velhas. Infelizmente podemos também avistar diversos prédios do Belvedere, em Belo Horizonte. É uma região muito bonita que costuma ter bastante cerração pela manhã, principalmente no inverno. Começando a descer o outro lado da serra (e põe decida nisso - não é forte, mas muito comprida), passamos pela mina Conceição da Extramil, até que no final da descida encontramos o Rio Barão de Cocais (também conhecido como Rio São João), ainda novinho, limpíssimo, o qual já refresca bastante o clima.
Passamos pelo Distrito de Socorro, e vamos margeando o Rio Barão até Barão de Cocais. Após Socorro temos a entrada para a mina do Gongo Soco-Serra do Congo da CVRD, que é um caminho que nos leva para Caeté via Rancho Novo (Veja a planilha Belo Horizonte/Cocais- Via Caeté/Rancho Novo). Continuamos a viagem até a Matriz Barão de Cocais, onde poderemos seguir a planilha Barão de Cocais/Canela de Ema/Egas/Cocais, a planilha  Barão de Cocais/Torre/Cocais, ou ir pelo asfalto pela MG 436. O mais rápido é pelo asfalto, é claro, o mais emocionante pela Torre e o mais pitoresco por Canela de Ema.
 
Este roteiro segue por estradinhas de fazendas, margeando a Serra do Espinhaço, do lado oposto a Cocais. São estradas pitorescas e tranqüilas. Após a travessia da ponte sobre o Rio Vermelho, tomamos à direita para fazer a travessia da Serra do Espinhaço rumo ao Distrito de Egas. O caminho depois segue por entre os eucaliptos da CENIBRA, os quais podem estar cortados ou não, o que altera muito o visual. O nome Canela de Ema foi dado a esta planilha devido à placa no Km 11,4, apesar de não termos descoberto o que é Canela de Ema. Será uma fazenda ou um povoado ? Aventure-se e descubra.
 
  Este roteiro é um dos caminhos mais curtos entre Barão de Cocais e a Vila Cocais. Segue, na subida da Serra, também por entre os eucaliptos da CENIBRA, o que ocasiona a mesma história da mudança drástica no visual caso eles estejam cortados. No seu Km 9,0 temos um "gaio", ou seja, um "galho", ou melhor, um entroncamento. Subindo à esquerda, vamos até a Torre de Barão, que dá nome a esta planilha. Não se esqueça da máquina de fotografia, pois de lá se avista longe, muito longe. Chegamos em Cocais por cima, pela estradinha da Pedra Pintada com pinturas rupestres, que fica nas terras do simpático Sr. Sérgio, e de algumas das cachoeiras de Cocais (se seguirmos pela esquerda no Km 12,8 ).
Esta planilha sai de Belo Horizonte pelo mesmo caminho da planilha Belo Horizonte/Cocais - Via Rio Barão de Cocais Trecho 1, só que no Km 11,3 seguimos à direita no sentido Sabará. Caso você prefira ir até Sabará por asfalto, pode zerar o hodômetro no Km 21,6-Siderúrgica Belgo Mineira, que é uma boa referência, e seguir a planilha a partir desse ponto, fazendo os cálculos para a correção necessária.
De Sabará para o conhecido distrito de Morro Vermelho. Morro Vermelho é uma parada estratégica, onde podemos tomar um café com leite da roça e pão com queijo local na padaria na praça, ao lado da igreja, ou então uma cerveja com uma lingüiça aperitivo apimentada no Alpenrose. Seguimos até Caeté, de onde vamos no sentido Rancho Novo pela BR 262. Isso mesmo, BR 262 ! Depois de tanta confusão de Anel Rodoviário, rodovia transversal, diagonal, radial, separaram a BR 381 da 262, pela qual vamos seguir até Barão de Cocais no leito da 262, que é essa gostosa estradinha de terra. De Barão de Cocais até a Vila Cocais vamos seguir pela Torre.
Este roteiro segue até Caeté exatamente pelo mesmo caminho da planilha anterior, o que faz valer exatamente as mesmas recomendações sobre Morro Vermelho.De Caeté seguimos agora para Antônio dos Santos, por uma estrada de terra bem batidinha e conservada, do estilo da "BR 262" na Planilha 4 quando vai para Rancho Novo. Quase chegando em Antônio dos Santos já vamos ver partes da Serra do Espinhaço à nossa direita. De Antônio dos Santos vamos descer a Serra rumo a Egas. No início da descida  já podemos avistar Cocais ao longe. Daí para frente vamos curtindo o restante da viagem por estradinhas de terra até a Vila Cocais.